Curso de difusão: A noção de não-ser em Parmênides e em Melisso

Versão para impressão
Ministrante: Nicola Stefano Galgano [Pós-doutorando do Depto. de Filosofia | usp]
12, 14, 19 E 21/AGO/2019
Local: 
Sala 107
Endereço: 
Conjunto Didático de Filosofia e Ciências Sociais, Av. Prof. Luciano Gualberto, 315 - Cidade Universitária, São Paulo - SP
Co/organização: 
Prof. Dr. Roberto Bolzani Filho

O minicurso tem por objetivo apresentar a anti-intuitiva e controversa noção de não-ser em sua estreia histórica, com Parmênides, autêntico inventor dessa noção, e do primeiro dos seus seguidores a continuar a discussão sobre o não-ser. Embora em seu uso corriqueiro o não-ser das coisas se apresente como um conceito normal e amplamente usado, ao pararmos para uma análise mais detida descobrimos que é uma noção extremamente complexa e aporética. Desde Parmênides, essa noção despertou o interesse dos maiores filósofos: de Platão e Aristóteles, na antiguidade, até Heidegger na filosofia contemporânea e mais atualmente nos estudos de lógicas não clássicas. Parmênides parece ter captado a essência de tal noção desde o início. Todavia, a rigorosa aplicação dessa noção na interpretação do mundo o levou à negação do devir, mergulhando a análise na mais anti-intuitiva das visões: um mundo estável e sem mutação. Essa visão de um mundo sem mutação se consolida em Melisso, que todavia apresenta uma noção de não-ser diferente. Essa diferença, aparentemente pequena, se revelará ao longo da história extremamente importante e, de certa forma, deixará o não-ser der Parmênides em Segundo plano. 
Ao mesmo tempo, do ponto de vista pedagógico, a análise da noção de não-ser em Parmênides constitui um dos mais clássicos exercícios do estudo filosófico, contribuindo substancialmente à formação da mens philosophica. Este objetivo pedagógico ao lado do objetivo mais propriamente filosófico de olhar de perto a uma das noções básicas da história do pensamento ocidental resultam num passo pequeno – trata-se de um minicurso – mas muito significativo em direção à compreensão dos grande temas filosóficos da humanidade.